A eterna luta de classes, estereotipada pela cor do colarinho. Qual é a cor do teu colarinho?
Sexta-feira, 30 de Setembro de 2011
Sugestão de Saída: Parque Biológico de Gaia

Fui recentemente a uma casa que já conhecia e da qual guardava boas memórias de uma tarde muito agradável. Já lá tinha estado há uma meia dúzia de anos atrás. Qual foi o meu espanto quando deparei-me com a transformação. 

Belíssimo. O ambiente geral do parque é sadio e apetecível. É um local criado para andar, para criar o desejo de andar, tão belos são os caminhos labirínticos. Por entremeio vai-se encontrando pequenas cabanas para visionarmos os animais no seu habitat. Lá encontramos uns convidativos banquinhos para repousar e informações úteis e pertinentes sobre a fauna desse local. 

Os caminhos estão repletos de surpresas curiosas e originais. Recordo-me de uma bela árvore junto ao caminho, com um enorme livro em cima dum pedestal, com pequenas fábulas para crianças. Encantador e pitoresco aquele cantinho junto à árvore. 

      

          

O ponto alto do parque quiçá talvez seja o espaço do Biorama. Fabuloso! Aqui fiquei abismado. Não esperava minimamente ser presenteado por tamanho banquete visual. A recriação de animais pré-históricos no seu habitat, com sons, alguns com movimento. Tudo construído com um bom gosto que, francamente, ainda não encontrei par em Portugal. Passagem obrigatória. Asseguro-vos que ides adorar. 

Mas o Parque Biológico de Gaia vive da diversidade. Enquanto que outros parques são mais limitados quanto às atracções, este não sobrevive exclusivamente do ambiente fabuloso do passeio, dos espaços encantadores dos seus animais, ou do incrível Biorama. Este parque oferece cantos em vários locais do parque que só por si justificavam inteiramente a visita. Desde um castelo que no interior é viveiro de todo o género de aves, ou por exemplo uma recriação completa de uma quinta onde nada falta, desde os campos cultivados com um pouco de tudo, com uma magnífica casa rural de pedra, onde no interior existe uma exposição bastante alargada sobre todo o género de utensílios de outrora, tendo inclusive quartos inteiros lá recriados. Esta moradia é um sonho. Perdi-me por imenso tempo somente nesta atração, tal são os detalhes. Devo dizer, e não é levianamente que o digo, que é possível sentirmo-nos em casa. Avivou-me como mais nenhum sítio recordações de infância, do ambiente familiar da casa dos avôs. 

Há um local do parque que não posso deixar de destacar também. É uma parte de um jardim que é dedicado às sensações olfactivas. Tem plantadas inúmeras ervas aromáticas. Encontra-se quase de tudo. Desde a erva do caril ou a dos coentros, encontra-se lá exposto flora que existe em Portugal e outra que provavelmente tendes que ir à Índia para encontrar. É um choque para o nosso incauto nariz, pondo verdadeiramente à prova a sua destreza em diferenciar e qualificar.

       

       

Após um tempo magnífico no parque, já junto da saída, surpreendi-me quando aceitei um convite para visitar no edifício da recepção uma exposição temporária sobre as árvores. Não foi essa exposição que me cativou. Sinceramente, nem me agradou. Mas essa galeria tinha um corredor que se estendia para um mundo completamente diferente. Entrei noutra dimensão. Quando já nada esperava, deparei-me com uma exposição com uma riqueza extraordinária, sobre variadíssimos assuntos. A qualidade das peças expostas são de um valor impagável. Deliciei-me de tal modo só com aquela inesperada exposição, como poucas vezes tem sido possível mesmo em museus e afins de renome. É um ataque à minha compreensão como é que aquele espaço está ali, como se somente de mais um mero anexo do parque se tratasse. Vale exclusivamente por si, como poucos locais o conseguem. 

Não vou dizer isto em meias palavras: foi um dos locais em Portugal que mais me agradou até hoje, quer na qualidade do que vi, na diversidade da oferta, e na quatidade dessa mesma oferta. É de loucos. Conheço vários parques biológicos em Portugal, conheço os Parques Zoológicos, conheço os melhores museus, algumas das melhores exposições fixas e itinerantes, mas digo-vos com toda a sinceridade... há muito pouco que se assemelhe. 

A cereja neste bolo acaba mesmo por ser o preço: para os adultos cinco euros, e as crianças com mais de sete anos pagam dois euros e meio. O que é isto comparativamente com tal oferta megalómana? Não é nada. Tenho pago o mesmo por locais ridículos, e naqueles que valem a pena deixa-se 20 a 30 euros na entrada. 

Se quereis um dia bem passado com os vossos, então não hesiteis e visitai o Parque Biológico de Gaia. Confiai cegamente na minha sugestão e após lá ires passai por aqui nesta rubrica e dai-me a vossa opinião. Tenho a certeza que sei qual será a vossa reação. 

        

Site do "Parque Biológico de Gaia"

 

        



Traficado por Dinis Vieira às 21:41
Endereço do Antro | Chiba-te ao Gangster | Junta-te à Família
|

Procurar Cadáveres
 
Tráfico Recente

Movimento Anti-Pesca

Corrupção na Origem da Bo...

O Real Crime de Colarinho...

Blogosfera Fotográfica: D...

A Questão da Instabilidad...

Extinção de Freguesias? S...

O Cavalo Azul de Rínia

Como potencializar o inte...

Instinto Animal

Oferta de Trabalho: Procu...

O Mundo poderá realmente ...

Humor Animado

Voz de Coragem

Curiosidades: Por uma unh...

Curiosidades: Ladrão com ...

Curiosidades: Ladrão com ...

Biografia de um Larápio

Ser Idiota Chapado está n...

Memorial às Vítimas de Mu...

Crónicas dum Proxeneta

Dicas para Poupança dentr...

Falsas Aparências

Passo em Falso

Tutorial Português dos Tá...

Tutorial infantil: o que ...

O Penhasco

Os Tachos

Arquivo do Gangster

Julho 2013

Abril 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Cúmplices Recomendados
Sobre Dinis Vieira
Dívidas de Sangue
Web Pages referring to this page
Link to this page and get a link back!
tags

todas as tags

subscrever feeds